Câmara pede urgência para reabertura do comércio de Penápolis

20/05/2020 às 00:01:00

A Câmara Municipal de Penápolis formaliza  documento com pedido ao governo de  São Paulo para a urgente autorização da  flexibilização com abertura do comércio local. A iniciativa, apoiada por todos os vereadores, tem liderança do presidente do Legislativo, Ivan Sammarco (DEM). "Pedimos que o governo de São Paulo analise a situação do comércio, cidade por cidade. Queremos a abertura programada e urgente do  comércio em Penápolis, especialmente agora que temos um apoio maior com hospital para a Covid-19. Se demorar mais para o funcionamento do comércio ficará insustentável", afirmou Ivan Sammarco durante a sessão legislativa de segunda-feira, dia 18. O presidente da Câmara Municipal também defendeu  que a administração municipal intensifique a realização de testes para o novo coronavírus. "Dessa forma saberemos bem melhor o retrato de Penápolis sobre a doença".

A vereadora Ester Sezalpino Mioto (PSD), engrossou manifesto em prol da  flexibilização do comércio. "Externamos nossa indignação e pedimos, Penápolis, reabra".

O vereador Nardão Sacomani (DEM),  repercutiu a importância da volta das atividades  para não ocorrer um agravamento ainda maior no setor comercial e de outros segmentos. "O desemprego pode ser pior, uma coisa monstruosa".

O vereador Pr. Bruno Marco (PSD),  disse que Penápolis vive uma realidade bem mais tranquila do que outras partes do Brasil nos casos do novo coronavírus."Não podemos generalizar, achando que o mesmo que acontece nas capitais de São Paulo e Rio de Janeiro ocorre também em Penápolis. Na nossa cidade a doença está em proporção controlada".

O vereador Francisco José Mendes, o Tiquinho (PSDB),  cobrou rapidez para o atendimento pelo governador de São Paulo. "Necessitamos já da abertura do comércio". O vereador Evandro Tervedo (PTB), alertou sobre os prejuízos causados por impedimentos de funcionamento de produção e comércio. "Enfrentamos um lockdown econômico, é isso o que o governo estadual criou ao estabelecer as medidas restritivas".